COMO SE CONSTRÓI UMA ESTAÇÃO DE LUZ?

Estar em Barreiras como voluntário é se permitir experienciar todos os dias uma nova oportunidade de expansão e percepção de si e do Todo. No último domingo, dia 22/08, rolou uma dinâmica muito divertida em Barreiras, no terreno da Estação Flor do Alto.

O arquiteto-chefe do projeto da Estação, Prem Atma Yah, convidou 8 voluntários do projeto The Golden Walk para uma brincadeira sensorial, numa proposta de sentir o local a partir de novos pontos de vista. Estavam presentes os voluntários Prem Ananda, Suryah, Prem Beeja, Annakkin, Shivalila, Akantha, Isis e Lucas.

Atma dividiu os voluntários em dois times de 4 pessoas, e a cada rodada uma pessoa de cada time ficava sem enxergar ou escutar, com vendas nos olhos e tampões nos ouvidos. Trazendo a atenção para os demais sentidos, a pessoa sem visão e audição era convidada a caminhar pelo terreno, sendo estimulada pelo Atma e pelo resto de seu time com diferentes tipos de orientações: “eu quero que você vá para um lugar de tranquilidade”, ou então “vá em direção ao lugar mais bonito”, “eu quero que você vá para onde estão os pássaros”, “vá para longe dos carros”, etc.

A voluntária Prem Ananda, em sua vez vendada.

Todo o time ficava responsável pela pessoa vendada da vez, cuidando para que ela não se colocasse em locais de perigo mas também estimulando-a de diversas formas: com toques inesperados, folhas e galhos pelo caminho, colocando pedras em suas mãos, andando ou correndo ao seu redor, girando seu corpo, etc.

Eventualmente, os tampões eram retirados dos ouvidos e a pessoa continuava o percurso apenas sem a visão, mas, nesse estágio, o resto do time é que colocava tampões nos ouvidos e ficava sem escutar a pessoa vendada. Nessa fase, a pessoa sem enxergar recebia algumas indagações pelo time, como: onde está a Akantha?, quem está atrás de você?, onde está a rodovia?, onde você está?, onde está a água?, qual o nome do cachorro que está do seu lado?, e a pessoa vendada respondia segundo sua percepção sensitiva.

Algo curioso: quando as pessoas vendadas foram perguntadas pelo time onde estava o lugar mais bonito, todas apontaram em direção ao Sol.

Cada um, em sua rodada vendado, foi convidado a encontrar o Seu Lugar em meio ao terreno, e a permanecer nele observando as sensações e emoções que vinham. Teve quem escolhesse ficar embaixo das árvores, teve quem escolhesse o terreno baldio, teve quem preferisse um relevo de pedras, teve quem ficou entre o sol e a sombra, e teve quem ficou totalmente perdido 😂. A área foi explorada através do tato e das sensações extrassensoriais, estimulando a intuição, a confiança, a atenção e a entrega.

Quando todos já tinham tido sua vez, todos sentaram em roda e trocaram sobre suas experiências, ao que Atma explicou o objetivo da brincadeira: entender como cada um se relaciona com o espaço e com tudo ao redor, como cada elemento influencia na percepção do ambiente, inclusive as pessoas, e como isso influencia na visão arquitetônica da construção da Estação. Houve diferentes partilhas sobre o que incomodou e o que ajudou durante o processo, a diferença entre estar vendado x estar acompanhando a pessoa vendada, o que foi sentido enquanto não ouvia e quando passou a ouvir, como os cachorros sempre acompanharam a pessoa que não via nem ouvia, como que guiando-a, dentre outras percepções. Foram compartilhadas as sensações sobre o Lugar de cada um e o porquê da escolha daquele lugar, trazendo a percepção de que nós sentimos o ambiente para muito além da visão e da audição.

Depois desse compartilhar, chegou a vez do arquiteto Atma, que estava conduzindo toda a dinâmica, caminhar pelo terreno sem enxergar ou escutar. Ele solicitou que os voluntários o conduzissem para o lugar mais bonito sem que pudessem tocá-lo e nem falar uns com os outros. Ele explorou o ambiente e os voluntários o foram guiando sem encostar, até que ele chegou ao local mais bonito escolhido pelos voluntários.

Prem Atma sem visão ou audição, sendo conduzido pelo Lucas.

Quando tirou as vendas, Atma percebeu que tinha andado para uma direção totalmente oposta à que pretendia, e disse:

– Aqui não é o lugar mais bonito. Eu já sei onde quero ir.

E então ele conduziu os 8 voluntários para onde Prem Beeja tinha ido em sua rodada vendada: para o meio do mato. Somente porque Beeja foi até lá sem saber para onde estava indo, ele teve a oportunidade de encontrar um barranco bem alto em meio a algumas árvores. Todos subiram até lá, e encontraram o lugar mais bonito:

Foi uma dinâmica muito interessante, de vários aprendizados e percepções, que permitiu com que os voluntários se percebessem como parte do ambiente e encontrassem o lugar de cada um dentro daquele espaço.

Da esquerda para a direita: Prem Ananda, Isis, Atma, Prem Beeja, Annakkin, Lucas, Akantha, Shivalila, e Suryah tirando a foto.

Gratidão, querido Atma, pela experiência e expansão de cada um, e da própria Estação Flor do Alto!

Você já acompanha a Sangha Platina Solaris em todas as plataformas?

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s